top of page

Polônia suspende benefícios para milhares de refugiados ucranianos

Crise no mercado imobiliário

por causa da guerra faz Poloneses enfrentarem sérios problemas socias e de habitação.


Imagem reprodução internet


Por: Juliana Steuernagel/ UK


A guerra na Ucrânia exacerbou os problemas no mercado imobiliário da Polônia .


Um afluxo de refugiados está fazendo subir os preços dos aluguéis que já atingiram valores recorde, enquanto o aumento dos custos dos materiais e a escassez de pessoal abrandaram a construção de novas casas.


Em certas pequenas cidades e vilas na Polônia o número de refugiados ucranianos quase ultrapassa o número de habitantes nativos poloneses.


O número de novos pedidos de financiamentos na Polônia caiu quase 71% em termos homólogos em agosto e o seu valor total 73%.


O índice de procura de empréstimos à habitação atingiu o seu nível mais baixo desde que o Credit Information Bureau (BIK) começou a compilá-lo em 2008.


Perda de Benefícios

A suspensão dos pagamentos “não implica a perda do direito à prestação se a pessoa regressar à Polônia no prazo de 30 dias e se este fato for registrado, explica.

A Polônia suspendeu o pagamento de benefícios de assistência infantil a milhares de refugiados de guerra ucranianos devido à sua saída do país, informou a Instituição de Seguro Social (ZUS).


A partir de junho, a ZUS suspendeu o pagamento de 18.000 zlotys (4.027 euros), disse o porta-voz da ZUS, Paweł Żebrowski.


Como explicou, a ZUS tem a obrigação legal de reter o pagamento do subsídio de guarda de filhos a um refugiado da Ucrânia imediatamente após a sua partida da país .


Muitos ucranianos ainda podem usufruir dos benefícios se cumprirem determinadas condições.


Nesse caso, acrescentou que o direito legal do cidadão ucraniano de permanecer na Polónia mantém-se e pode voltar a receber benefícios e indemnizações pelo mês suspenso, desde que cumpra as restantes condições.


No entanto, alguns cidadãos ucranianos perderam o seu direito legal de permanecer na no país , apesar de terem regressado no prazo de 30 dias após a partida, disse o porta-voz da ZUS, acrescentando que provavelmente não apresentaram o documento eletrônico especial ao atravessar a fronteira e não o fizeram. comunicar o uso de proteção temporária.


Uma pessoa que não cumpra estes requisitos e tenha perdido o direito às prestações deve contactar o posto da Guarda de Fronteira no posto de fronteira que atravessou com um pedido de correção dos dados do registo da Guarda de Fronteira e da situação da sua estadia.


Na Polônia, os refugiados ucranianos podem receber os mesmos benefícios a que os cidadãos poloneses têm direito, como abonos de família e filhos, subsídio de nascimento e pensões.


De acordo com o Ministério do Interior e da Administração, cerca de 1,2 milhões de cidadãos ucranianos vivem atualmente na Polônia.

Comments


bottom of page